Apático, SPFC passa vergonha e perde pro Bragantino

 

FICHA TÉCNICA

RED BULL BRAGANTINO 4 X 2 SÃO PAULO
Local: Estádio Nabi Abi Chedid, em Bragança Paulista (SP)
Data/Horário: 06 de janeiro de 2021 (quarta-feira), às 21h30 (de Brasília)
Árbitro: Luiz Flavio de Oliveira (SP)
Assistentes: Danilo Ricardo Simon Manis (SP) e Miguel Cataneo Ribeiro (SP)
VAR: Marcio Henrique de Gois (SP)
Gols: 1-0 Claudinho (03’1ºT), 2-0 Raul (13’1ºT), 2-1 Tchê Tchê (15’1ºT), 3-1 Fabrício Bruno (17’1ºT), 4-1 Artur (44’1ºT), 4-2 Carneiro (50’2ºT)
Cartões amarelos: Aderlan, Artur (Red Bull Bragantino), Bruno Alves, Brenner (São Paulo)
Cartões vermelhos: Tchê Tchê

RED BULL BRAGANTINO: Cleiton; Aderlan, Fabrício Bruno (Léo Realpe, aos 41’2ºT), Ligger e Edimar; Raul, Ricardo Ryller (Ramires, aos 35’2ºT) e Claudinho; Cuello (Weverton, aos 35’2ºT), Artur (Bruno Tubarão, aos 25’2ºT) e Ytalo (Hurtado, aos 25’2ºT). Técnico: Maurício Barbieri.

SÃO PAULO: Volpi, Igor Vinícius (Paulinho Bóia, Intervalo), Bruno Alves, Diego Costa (Léo, Intervalo) e Reinaldo; Tchê Tchê, Daniel Alves, Gabriel Sara e Igor Gomes (Tréllez, aos 29’2ºT); Brenner (Carneiro, aos 36’2ºT) e Vitor Bueno (Rodrigo Nestor, aos 15’2ºT). Técnico: Fernando Diniz 

 

BOLA CHEIA

  • TIAGO VOLPI: Em jogo em que o time toma uma goleada vexatória, nada é mais vergonhoso do que o melhor em campo ser o goleiro do time derrotado. Se não fosse Volpi, caros amigos, o SPFC teria facilmente tomando 8 ou 9 gols nessa partida. Ele pode ter seus erros aqui e acolá, mas é um goleiraço.

 

BOLA MURCHA

  • FALTA DE VERGONHA NA CARA: Não dá para culpar o técnico. Era só olhar 5 minutos do jogo para ver que o time do SPFC entrou (e ficou até o fim) apático, sem vontade, sem empenho, sem nada, sem postura, sem competitividade. Os caras enfrentam um time brigando contra o rebaixamento, que vem de seguidas derrotas e está desfalcado, e tomam uma goleada dessas? Mais vexatório do que isso só esposa de conselheiro dando showzinho constrangedor em posse de um presidente em quem a torcida deposita muitas esperanças de mudanças.
  • MASCARADINHO: A gente sempre chamou Tchê Tchê de mascarado, mas dessa vez quem chamou foi Fernando Diniz, aos berros, ao lado do campo: “Ô, Mascaradinho, ingrato do caral…” E logo depois disso o Mascaradinho foi expulso por agredir um adversário no meio do campo, em jogada sem perigo nenhum, tirando qualquer chance de reação do SPFC. A culpa é do Mascaradinho, que todo mundo sabe que é mascarado mesmo, ou é de quem escala esse cara em todo jogo?
  • VITOR BUENO: Quando está 100% em forma, esse cara é preguiçoso, molenga, lento, desleixado, com futebol medíocre. Mas nessa partida ele não estava 100%, havia suspeita de Covid, e mesmo assim entra jogando. E de quem é a culpa? É desse jogadorzinho medíocre que não seria titular nem na Série C ou de quem o escala?
  • DIEGO COSTA: Teve sua chance de voltar ao time titular (Arboleda não estava bem) e o que ele fez? Nada. Aliás, vamos ser justos: para não dizer que não fez absolutamente nada, ele fez uma coisa sim: entregou o ouro de maneira inacreditável no quarto gol dos caras. Tem que ficar pelo menos mais um ano na reserva para aprender a encarar a situação com hombridade, como o próprio Arboleda fez quando esteve no banco.

(por Demétrio Valente)