Brenner revela que pensou em parar: “Pedi pra não ir a jogo”

Artilheiro do São Paulo na temporada, com 17 gols, Brenner revelou que já chegou a pensar em parar de jogar futebol. Vivendo excelente fase na atual temporada, o garoto gera grandes expectativas desde que foi promovido ao time profissional, em 2017, sob o comando de Rogério Ceni, mas alternou altos e baixos que o levaram a ser praticamente descartado pelo Tricolor.

O desempenho na base era avassalador. Foram 23 gols em 30 jogos no sub-15 e 43 gols em 44 jogos pelo sub-17. mas atuações aquém da expectativa no profissional fizeram com que Brenner fosse emprestado ao Fluminense no ano passado. Lá, o jovem atacante trabalhou com Fernando Diniz, mas não aproveitou o período para ganhar espaço e rodagem. Sem foco, a carreira quase degringolou.

“Pedi até para não ir a jogos, ficar só em casa. Treinava pensando pra onde eu ia depois, não queria mais jogar bola, não. Tive uma conversa com a minha mãe, falei que eu estava desanimado, que não sabia se eu queria continuar nesse sonho que eu tinha desde criança, porque não via mais esse caminho. Ouvi que o São Paulo não sabia se ia me querer, foi um choque de realidade para mim”, revelou Brenner.

Apesar de não conseguir se firmar como titular no Fluminense, Brenner ganhou um voto de confiança de Fernando Diniz quando ele foi contratado pelo São Paulo. O treinador decidiu reintegrar o jovem revelado em Cotia ao elenco profissional e passou a lapidá-lo para se tornar o homem-gol que é atualmente.

“Minha mãe sempre esteve comigo, minha mãe é da hora. Ela conseguia enxergar o que eu estava passando. Até que um certo dia eu recebi a notícia que o professor Diniz me queria, que ele contava comigo. Aquele dia ali a bateria foi recarregada 100%. Aí eu falei para minha mãe que eu ia me entregar, prometi para ela. Eu nunca treinei nas férias. Falei que ia treinar. Quero morar no CT, viver e respirar futebol”, completou o camisa 30 do São Paulo.

Com 13 gols nos últimos 13 jogos, Brenner já superou os números dos últimos artilheiros do São Paulo, como Pablo, Diego Souza, Lucas Pratto e Calleri. Mais maduro e ciente da grande responsabilidade que é vestir a camisa tricolor, o jovem atacante é um exemplo de que o imediatismo pode dar fim a carreiras promissoras no futebol.

Fonte: ESPN