Ceni conseguiu unir o grupo, garante Thiago

A equipe do São Paulo foi se moldando ao longo da pré-temporada. O sistema tático, os titulares, a maneira de jogar. Mas em momento algum se imaginou que ela não tivesse Thiago Mendes.

Considerado “jogador moderno”, daqueles que executam funções múltiplas num meio-campo, o volante é um dos mais animados com a chegada de Rogério Ceni. É verdade que nenhum jogador falaria mal do trabalho do técnico antes mesmo de o campeonato começar, ainda mais sendo esse técnico o maior ídolo da história do clube. Mas a empolgação é notória.

– O São Paulo não era assim antes de o Rogério Ceni chegar. O grupo não era unido como está.
Os laços foram estreitados durante a viagem para os Estados Unidos. Em pouco mais de duas semanas de treinos intensos, jogos-treinos e até título sobre o rival Corinthians, criou-se uma amizade coletiva que pode servir de base para o Tricolor se candidatar a conquistas em 2017.

Nas redes sociais, Thiago Mendes e o vizinho Maicon, que mora a quatro minutos de sua casa, deitaram e rolaram: tapas na cabeça, risadas, comemorações. Antes de receber a reportagem do GloboEsporte.com em sua residência, que está em reforma e vive em função das crianças Juan Miguel, de 4 anos, e Lize, recém-nascida de apenas um mês, o volante deu carona ao zagueiro.

– Dei tapa na cabeça dele. Se ele ficar bravo, a gente dá outro para ele ficar mais (risos).

Nesse espírito “leve”, Thiago Mendes disse o que espera do São Paulo em 2017:

Vi que você deu carona para o Maicon hoje, e também houve muitas fotos de vocês nas redes sociais durante a viagem aos EUA. Foi lá que vocês se aproximaram?
Com o tempo nos aproximamos muito. Quando eu preciso de alguma coisa ele me busca e vice-versa. Fizemos uma grande amizade na Flórida, não só nós dois, mas a equipe inteira do São Paulo. Estávamos sem as famílias, então a amizade prevaleceu bastante. O Rogério Ceni insistiu muito nisso. Ele queria isso e permaneceu na chegada ao Brasil. O time está focado apenas no objetivo de fazer um bom campeonato e levantar a taça.

Então podemos dizer que além de treinar a equipe seguindo o que quer o Rogério, essa viagem serviu para melhorar o time fora de campo também?
O São Paulo não era assim antes de o Rogério Ceni chegar, o grupo não era unido como está agora. Mudou muito depois da chegada dele. Vocês devem sentir o grupo mais unido, estamos querendo aprender com o Rogério Ceni, assim como ele também está querendo aprender com a gente. Isso é o começo de uma equipe que almeja alguma coisa.

Mas que poder tem esse cara para em um mês, sendo novato na profissão, unir um grupo?
Só de você falar o nome Rogério Ceni. Todos foram pegos de surpresa, ele não passou nem um ano longe do São Paulo e voltou como treinador. Ele tem história no clube, o coração dele bate pelo São Paulo. Ele fez contratações pontuais, acho que acertou nisso. O time todo queria um treinador que fizesse tudo que ele está fazendo, os treinamentos diferentes. Por isso a equipe está unida, ele pediu isso.

Às vezes não dá vontade de pedir para ele parar de gritar?
(risos) Ele não está falando tanto, mas tem que cobrar mesmo. A equipe tem que se doar muito.

Qual foi o treino que você mais gostou até agora?
Até hoje foi o do futebol americano. Eu nunca tinha feito aquilo na vida, ele chegou com esse treinamento e achei muito legal. Ele divertiu a equipe, foi fundamental.

Esse treino tem algo que possa ser usado no jogo ou era só para integrar os jogadores?
O objetivo é de jogo, tudo que ele passa é de jogo. É bastante importante para a movimentação. Ele não estava escutando nossa voz em campo, e esse treino ajudou a se soltar mais. Serviu para mobilidade, arranque, freada. Ajudou bastante. No começo todo mundo fica meio tímido, então é fundamental para um time que não é de falar bastante em campo, mas se soltou.

A equipe está fazendo uma pré-temporada de ótimo astral, bons treinos, mas a realidade ainda aponta os rivais estaduais mais fortes. O que esperar do São Paulo em 2017?
Temos que dar um passo de cada vez, mostrar a cara do São Paulo, que precisa de uma identidade. Em dois anos que estou aqui, ainda não vi isso. Temos que dar uma cara ao São Paulo e depois mostrar o futebol que estamos treinando. O Palmeiras tem um ótimo elenco, os outros também, e o São Paulo está recomeçando.

Que cara você gostaria que o São Paulo tivesse?
O São Paulo tem que voltar a ter a raça de antes, que é fundamental. Ano passado nosso time não demonstrou tanto isso. E bola também, só raça não adianta nada. Vocês podem esperar um São Paulo diferente. Acho que verão jogos diferentes do que estavam acostumados.

[Globo Esporte]