Diniz defende elenco e diz estar contente com o que tem

Fernando Diniz achou um time ideal no São Paulo na reta final de 2020. Com os 11 titulares em campo, o Tricolor arrancou na liderança do Campeonato Brasileiro e passou a apresentar um futebol bonito, objetivo e aliado a bons resultados.

A equipe considerada titular tem: Tiago Volpi, Juanfran, Bruno Alves, Arboleda e Reinaldo; Luan, Daniel Alves, Gabriel Sara e Igor Gomes; Brenner e Luciano.

Nos últimos jogos, porém, a equipe sofreu com ausências, e a força do elenco passou a ser questionada por parte da torcida – principalmente quando é necessário fazer mudanças no decorrer da partida.

Contra o Bragantino, por exemplo, quatro titulares desfalcaram o time: Juanfran (problemas particulares), Arboleda (ficou no banco por fadiga), Luan (suspenso) e Luciano (lesionado). Em seus lugares entraram Igor Vinicius, Diego Costa, Tchê Tchê e Vitor Bueno, respectivamente.

Nenhum, porém, conseguiu corresponder à altura, e o São Paulo fez um de seus piores jogos na temporada. Diniz até tentou mudar peças ao longo do jogo, mas o Tricolor foi derrotado por 4 a 2.

O fator já vinha atrapalhando o time em partidas anteriores. No jogo da volta da semifinal da Copa do Brasil, Luciano e Reinaldo, dois dos principais jogadores do elenco, foram ausências contra o Grêmio e o time sentiu a falta da dupla.

Após o jogo contra o Santos, no último domingo, Fernando Diniz defendeu seu elenco e disse estar contente com as peças que tem após uma nova derrota no Brasileirão. Para tentar mudar o panorama do jogo enquanto perdia, o treinador chamou do banco de reservas Vitor Bueno, Paulinho Boia, Hernanes, Tréllez e Gonzalo Carneiro. Nenhum conseguiu levar para campo o “algo a mais”.

– Ficamos de querer diminuir o valor do elenco. O elenco é bom, é o elenco líder do campeonato. Não acho justa essa pergunta. É o elenco que estou contente. Se me perguntar semana que vem, daqui 15 dias, não vou mudar. Eu gosto, não sei quantas vezes repete essa pergunta quando perdemos um jogo. Quando vira, aí é muito menos elogiado do que quando não conseguimos virar – disse Diniz.

Fonte: GE