Dragões da Real Curitiba homenageia seu presidente Júnior

No domingo, dia 7/4/2019, membros da Dragões da Real de Curitiba prestaram uma homenagem ao seu presidente da subsede Júnior Dall’Agnol. A reunião, que tinha como pretexto o segundo jogo da semifinal do Paulistão, foi a oportunidade ideal para os envolvidos (presentes e ausentes) poderem expressar seu profundo agradecimento aos seus 11 anos frente à torcida.

A festividade foi recheada de emoção e de surpresas, como a entrega de uma placa condecorativa e o hasteamento da nova bandeira da DDR Curitiba, com a imagem do Júnior e os dizeres: “Máximo Respeito”. Pra coroar o dia, tivemos também a sofrida classificação do São Paulo para a final do Paulista, feito que não acontecia há 16 anos. Com certeza, o domingo nublado e chuvoso em Curitiba não poderia terminar de outra forma!

Pra contar um pouco dessa trajetória e relembrar o começo de tudo, voltamos para o ano de 2008, quando Júnior, motivado pelo eterno César, iniciou as atividades da subsede em Curitiba – a primeira fora do estado de São Paulo. O momento foi bastante oportuno. Recompensados com o bicampeonato brasileiro (2006 e 2007), a torcida foi ganhando número e a ligação e amizade com a sede foi ficando cada vez mais forte.

A caminhada de lá pra cá nunca foi fácil, ela teve seus altos e baixos, mas a motivação e o amor pelo São Paulo sempre falaram mais alto. Não é à toa que somos a torcida que carrega o lema: “Uma vida de amor ao SPFC” e na terra da vina e do pinhão, não poderia ser diferente.

“Hoje somos presença constante nos jogos, festividades e temos prestígio perante a sede, as demais subsedes e, até mesmo, as torcidas aliadas, mas sabemos que nada disso seria possível se as rédeas não estivessem nas mãos certas, principalmente nos momentos de crise”, explica Lucas Landim, diretor da sub-sede de Curitiba. “Em nome de todos da Dragões Curitiba, gostaria de registrar o nosso agradecimento ao Júnior e dizer que somos gratos a ele por sempre representar humildemente a nossa torcida. Quem quer escrever história, tem que fazer história e é nesse sentido que continuaremos trabalhando.”

Respeite quem pode chegar onde a gente chegou!