É melhor jogar mal e vencer, diz Maicon

O gol de Sassá ao 48 minutos do segundo tempo caiu como um balde de água fria no elenco são-paulino depois do duelo com o Botafogo, no Morumbi. O revés deixou ainda mais evidente a dificuldade que a equipe tem para marcar um gol e a vulnerabilidade de sua defesa, que nos últimos três jogos levou cinco gols em casa. Maicon, pilar do sistema defensivo e capitão tricolor, foi sincero ao analisar o momento do time e se mostrou cansado da situação que se repete rodada a rodada no Campeonato Brasileiro.

“Jogando em casa, onde supostamente teríamos de ser mais fortes, estamos cometendo erros que estão nos prejudicando. A equipe jogou bem o jogo todo. Eu preferia jogar mal o jogo todo e no final sair com os três pontos. Não foi o que aconteceu. No final, não conseguimos o nosso objetivo”, afirmou o zagueiro.

Após 20 rodadas, o São Paulo é o único time a ter um saldo zerado na competição. Levou os mesmos 21 gols que marcou. É dono do 15ª melhor ataque e tem a 8ª melhor defesa do Brasileirão. Números que ajudam a explicar a 11ª colocação na tabela de classificação, com 26 pontos, nove atrás do G4 e a apenas cinco da zona de rebaixamento.

“O São Paulo tem de trabalhar tudo. Não é só o ataque que é obrigado a fazer gols. Volante também pode fazer gols, os laterais. Então, a gente tem que ver onde está errando e corrigir o erro o mais rápido possível para, no final, a gente não sofrer”, ponderou, evitando criar vilões e fazendo seu papel de líder.

“Não é falta de qualidade. Talvez corrigir o último passe, que hoje faltou um pouco. Mas, se perde, perde todo mundo. Não vejo falta de qualidade. Acho que é mais falta de atenção do que falta de qualidade. O São Paulo tem jogadores de altíssimo nível”, garantiu.

A esperança no São Paulo é de que Ricardo Gomes consiga reequilibrar a equipe e, além de dar consistência à zaga, faça com que o ataque desencante de vez e volte a ser letal no Campeonato Brasileiro. Antes mesmo da apresentação do novo técnico, Maicon já fez questão de adiantar o que o ex-técnico do Botafogo vai encontrar no CT da Barra Funda.

“Eu acredito que ele vai pegar um time concentrado. A gente vê o São Paulo, na maioria dos jogos, sendo superior. Falta aquele detalhezinho, que ele vai ter de ajustar. Futebol é de pequenos detalhes e a gente tem cometido alguns erros fatais. Você cometer um erro aos 48 minutos da segunda etapa é complicado. A equipe foi superior durante todo o jogo e poderia ter feito dois, três gols, mas acabou que não foi concretizado. No final é aquele ditado: quem não faz, toma”, analisou o capitão, sem esconder sua irritação com mais um tropeço no Morumbi.

[Gazeta Esportiva]