Empate morno contra a Chapecoense


SÃO PAULO 2 x 2 CHAPECOENSE
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)
Data: 31 de julho de 2016, domingo. Horário: 11h00 (horário de Brasília).
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (RJ); Assistentes: Rodrigo Henrique Correa e Luiz Cláudio Regazoni (ambos do RJ).
Cartões amarelos: SÃO PAULO: Bruno, Cueva, Chavez e Hudson. CHAPECOENSEFilipe Machado
Renda: R$ 1.290.275. Público: 54.966 torcedores.
GOLS: SÃO PAULO: Cueva, aos 15 e aos 40 minutos do 2T; CHAPECOENSE: Kempes, aos 5, e Willian Thiego, aos 11 minutos do 1T
SÃO PAULO: Denis; Bruno, Lugano, Maicon e Carlinhos (Luiz Araujo); Thiago Mendes (Chavez), Hudson, Kelvin, Cueva e Michel Bastos; Centurión
Técnico: Edgardo Bauza
CHAPECOENSE: Danilo; Gimenez (Matheus Biteco), Willian Thiego, Filipe Machado e Dener; Josimar, Cleber Santana, Gil e Martinuccio (Tiaguinho); Hyoran e Kempes (Bruno Rangel).
Técnico: Caio Júnior


CUEVA: Esse peruano está sendo mais uma grata surpresa para a torcida. Não dá pra saber se será um novo Calleri, mas seu empenho em campo já merece no mínimo nosso respeito. Cueva fez os dois gols do jogo e se empenhou muito em campo, ao contrário de gente como Centurión e Michel Bastos, atletas que parecem fazer questão de mostrar que não dão a mínima se o time vai ganhar ou vai perder.
DENIS: Sim, senhor, o rei do Bola Murcha agora só vive no Bola Cheia! Não fossem pelas boas defesas de Denis, o vexame teria sido muito maior. Parabéns, Denis, torcemos para sua evolução!


FALTA DE EMPENHO E FALTA DE AMBIÇÃO: Que ninguém venha nos pedir para comemorar o empate “porque poderia ter sido pior” porque isso é constrangedor, humilhante e vergonhoso para um torcedor são-paulino. Comemorar empate contra a Chapecoense em um Morumbi lotado com 54 mil pessoas? Jamais!!! E Bauza continua insistindo “patonlogicamente” com o tal Centurión, não percebe que Michel Bastos se arrasta em campo e, quando bate o desespero, põe quatro atacantes, mas não ajusta o meio-campo para municiar o ataque. É como colocar um motor de Ferrari em um carro que não tem pneus. Além do mais, alguém deveria fazer um quadro da tabela de classificação do Brasileirão e colocar no quarto de Bauza para ele dormir toda noite olhando como o SPFC está aos poucos se aproximando da parte de baixo da tabela. Esquema retranqueiro funciona em mata-mata de Libertadores, mas em pontos corridos do Brasileirão só serve pra deixar o SPFC no meio da tabela, de olho para não cair na zona de rebaixamento… O SPFC é grande demais para esse tipo de mentalidade.