Ferroviária 1×2 SPFC: Bola Cheia e Bola Murcha em Araraquara

FICHA TÉCNICA

FERROVIÁRIA 1 X 2 SÃO PAULO
Local: Arena Fonte Luminosa, em Araraquara (SP)
Data: 28 de janeiro de 2020, quarta-feira
Horário: 21h30 (de Brasília)
Árbitro: Ilbert Estevam da Silva
Assistentes: Miguel Caetaneo Ribeiro da Costa e Alberto Poletto Masseira
Público: 10.940 pessoas
Renda: R$ 511.210,00
Gols: Felipe Ferreira, aos 26 do 1ºT (Ferroviária); Hernanes, aos 29 do 1ºT, e Arboleda, aos 4 do 2ºT (São Paulo)

FERROVIÁRIA: Saulo; Lucas Mendes, Rayan, Carlão e Bruno Recife; Pablo, Tony, Claudinho (Yuri) e Felipe Ferreira; Fellipe Mateus (Léo Artur) e Henan (Hygor). Técnico: Sérgio Soares

SÃO PAULO: Tiago Volpi; Juanfran, Arboleda, Bruno Alves e Reinaldo; Tchê Tchê (Luan), Daniel Alves e Hernanes; Pato (Everton), Vitor Bueno (Toró) e Pablo. Técnico: Fernando Diniz

 

BOLA CHEIA

  • BRUNO ALVES: Quem prestar atenção com cuidado na atuação de Bruno Alves, vai perceber que o cara é realmente diferenciado como defensor. Além de muito seguro, ele tem muita personalidade, joga sério o tempo todo, não inventa firulas e ainda sai tocando bem a bola. Teve inclusive uma arrancada de Bruno Alves no segundo tempo que lembrou os melhores momentos de Alex “Pirulito” Silva no SPFC. De quebra, Bruno Alves deu muitas broncas em Arboleda, corrigindo o posicionamento do equatoriano em campo, mostrando também uma boa visão de jogo. Excelente atuação.

 

BOLA MURCHA

  • FALTA DE OBJETIVIDADE: Os times de Fernando Diniz costumam ter muita posse de bola, mas tocam muito de lado, sem objetividade. Não por acaso os clubes que ele dirigiu marcam poucos gols. E ainda que o time tenha melhorado em relação a 2019, o fato é que a falta de objetividade nesses toquinhos pro lado deixa o esquema de Diniz muito previsível, lento, fácil de anular. Perceba que todo mundo que enfrenta o SPFC sobe a marcação para pressionar a saída de bola, que é sempre muito lenta, muito lateral e pouco objetiva. Essa situação é piorada pelo fato de o planejamento do clube ter sido ruim: formou-se um elenco muito caro, lento e cheio de problemas médicos. Se Diniz conseguir se adaptar isso e dar mais velocidade ao time, talvez a temporada não seja tão ruim como as dos últimos anos.

 

VÍDEO