Marquinhos também tá machucado: Crespo quer ‘achar o problema’

Marquinhos se tornou mais uma baixa para o técnico Hernán Crespo neste sábado, durante o clássico contra o Palmeiras, no estádio do Morumbi. O atacante, um dos destaques no primeiro tempo, sentiu a região posterior da coxa esquerda e teve de ser substituído por Joao Rojas, aumentando a já extensa lista de tricolores lesionados.

Contra o Palmeiras, o São Paulo já não pôde contar com quatro atletas por causa de lesões: Luciano (estiramento na coxa esquerda), Eder (estiramento na coxa direita), Luan (aprimora a forma física após trauma na perna esquerda) e Arboleda (contratura na coxa direita).

“Estamos trabalhando para identificar o problema, porque o problema existe, mas ao mesmo tempo falei há três dias que o São Paulo já jogou em seis meses 50 jogos. Então, é muito difícil. E ainda falta muito”, disse Crespo, indicando que o duro calendário tem influência direta no número de lesionados do elenco.

Marquinhos, no entanto, vem treinando com o elenco profissional há pouco tempo. O atacante estreou como titular no jogo de volta das oitavas de final da Libertadores, contra o Racing, na Argentina. Depois, voltou a figurar entre os 11 iniciais contra o Flamengo. Neste sábado, foi uma das primeiras escolhas de Crespo novamente, mas, mesmo tendo começado o jogo da última quarta-feira, contra o Vasco, no banco de reservas, a conta do esforço físico recente chegou.

“Por um lado, acredito que [o número de lesões] é normal. Por outro lado, estou preocupado com a situação. Não queremos encontrar culpados, mas melhorar para que isso não aconteça novamente. Não é uma coisa que vamos resolver este ano, seguramente”, completou o treinador do São Paulo.

Apesar de ter ganhando mais um desfalque, Crespo saiu satisfeito com o desempenho de sua equipe na partida que foi uma prévia das quartas de final da Copa Libertadores. O São Paulo foi superior ao Palmeiras no geral, e, para o treinador tricolor, sua equipe fez uma partida ‘’taticamente perfeita”.

“Estrategicamente fomos superiores ao grande time do Palmeiras. Como falei antes, não foi o suficiente para superar no placar, mas estou muito contente pela atuação dos atletas, como entenderam o jogo. Você sabe, estou aqui há seis meses, o São Paulo pode mudar, jogar com três zagueiros, dois zagueiros, mas a vontade de ser protagonista não muda. Os atletas demonstraram outra vez a capacidade de adaptação a situações do futebol”, disse.

“Taticamente perfeito, fizemos tudo, dois gols, um pênalti, situações perigosas, mas não alcançamos o resultado. É isso o que podemos controlar. Fizemos muito bem o que podemos controlar”, concluiu.

Fonte: ESPN