SPFC agora faz contratos mais longos com garotos formados em Cotia

O São Paulo se resguardou na última janela de transferências ao renovar a maioria dos contratos com os garotos promovidos das categorias de base neste e nos últimos anos.

Com a extensão do vínculo da maioria dos jovens, o clube espera aumentar o poder de negociação nas próximas janelas. Com os contratos mais longos, o Tricolor tenta não perder nenhum jogador de graça e ainda conseguir aumentar o valor de venda por conta da multa rescisória.

O São Paulo tem como padrão colocar uma multa no valor de R$ 50 milhões de euros (cerca de R$ 300 milhões) nos contratos dos garotos que renovam nos profissionais. Na maioria das vezes, o clube não consegue vender pelo valor máximo, mas tem uma margem para negociar.

No caso de Brenner, o último jogador revelado na base vendido pelo São Paulo por altas cifras, o Tricolor o envolveu em uma venda que podia chegar a 15 milhões de dólares (R$ 80,7 milhões na cotação da época) por um valor fixo e mais bônus.

Para não correr riscos de ver atletas assinando pré-contratos com outros clubes, a diretoria estendeu os vínculos de garotos como Rodrigo Nestor, Talles Costa, Welington e Luan nesta temporada.

Nas janelas de transferência, eles são alvos de clubes do exterior, assim como Igor Gomes, Liziero e Gabriel Sara.

Veja abaixo o tempo de contrato dos principais garotos revelados na base:

  • Rodrigo Nestor – 31/12/2024
  • Welington – 31/12/2024
  • Talles Costa – 31/12/2024
  • Marquinhos – 31/05/2024
  • Gabriel Sara – 30/04/2024
  • Liziero – 31/01/2024
  • Luan – 31/12/2023
  • Patryck – 31/05/2023
  • Igor Gomes – 31/03/2023
  • Diego Costa – 31/12/2022

Recentemente, o Porto fez uma sondagem por Luan. O clube português quis saber as condições para contratar o volante para a próxima temporada. As conversas ainda não evoluíram para uma proposta.

Nomes como os de Gabriel Sara e Igor Gomes também são especulados para uma possível saída no ano que vem. O São Paulo, no entanto, não pretende negociar por valores considerados baixos.

A diretoria são-paulina expôs a necessidade de realizar vendas para equilibrar as finanças. Nesta última janela, no entanto, nenhuma boa proposta chegou ao clube e todos os jogadores permaneceram.

Fonte: GE