SPFC atropela Oeste com belas atuações de Pato e Dani Alves

FICHA TÉCNICA

OESTE 0 X 4 SÃO PAULO
Campeonato Paulista – ​7ª rodada
Local: Arena Barueri, em Barueri (SP)
Data/Horário: 22/2/2020, às 16h30
Árbitro: Raphael Claus – Nota L!: 6,0 – Arbitragem tranquila, sem grandes exigências
Assistentes: Marcelo Carvalho Van Gasse e Miguel Cataneo Ribeiro
Cartões amarelos: Alyson, De Paulo (OES); Juafran (SAO)

Cartões vermelhos: não houve
GOLS: Daniel Alves 3’1ºT (1-0), Pato 20’2ºT (2-0), Daniel Alves 28’2ºT (3-0), Pato 42’2ºT (4-0)

OESTE: Felipe Lacerda; Éder Sciola (Betinho, 32’/2ºT), Renan Fonseca, Lídio e Alyson; Wallace Bonilha, Mantuan, Matheus Oliveira e De Paula ; Bruno Paraíba e Roberto (Tite, 39’/2ºT) Técnico: Renan Freitas

SÃO PAULO: Tiago Volpi; Juanfran (Liziero 38’/2ºT), Bruno Alves, Arboleda e Reinaldo; Tchê Tchê, Daniel Alves e Igor Gomes (Pablo, 33’/2ºT); Antony, Vitor Bueno (Hernanes 19’/2ºT) e Alexandre Pato. Técnico: Fernando Diniz.

 

BOLA CHEIA

  • ALEXANDRE PATO: No ano passado, demos muitas Bolas Murchas pro Pato. Agora, é hora de enfileirar Bolas Cheias. Lógico que vai ter pangaré dizendo “Ainnn, antes falavam mal e agora puxam o saco”… Mas se o cara tá mal, a gente critica; Se o cara tá bem, a gente elogia. É difícil entender isso? Se tem pangaré que não entende isso, então que vá ficar “causando” em rede social e pare de encher o saco. O fato é que neste ano Pato tem se esforçado muito, jogado com seriedade, empenho e principalmente muito foco. Aquele jogador preguiçoso e desatento de 2019 deu lugar a um atacante focado, superatento, sedento por gols. Nesta partida, encerrou seu jejum com dois gols e merece mais chances como titular. Parabéns, Pato!
  • DANI ALVES: O cara que é craque pode até não ir muito bem em uma partida, mas tem repertório para ser decisivo. E isso Dani Alves foi. No primeiro gol, foi um toque de primeira ― do tipo que se fosse Reinaldo chutando, a bola iria parar em Osasco. No segundo, um lance em que a visão de jogo do craque prevalece: ele se antecipa ao erro do adversário e cria a jogada do gol. Boa atuação do “Good Crazy”.
  • ARBOLEDA: Depois de ter feito aquela lambança estúpida nas férias, tomou a atitude mais inteligente: calou-se, trabalhou em silêncio e está revertendo a irritação da torcida dentro de campo, com atuações seguras, sérias, sem firulas e muito empenho. Mais uma vez foi um dos nomes de destaque do jogo ― e com todo merecimento.

 

BOLA MURCHA

  • NINGUÉM: Apesar da atuação medíocre de Vitor Bueno, da enorme quantidade de passes errados de Tchê Tchê e das performances apagadas de Reinaldo e Pablo, todo o time jogou com empenho, foco e seriedade. Mesmo com a limitação técnica de alguns, seria injusto dar Bola Murcha para alguém. A hora agora é para união total para usar o desimportante Paulistinha como pré-temporada para o que realmente interessa: a Libertadores. O momento é para encaixar as peças e rezar para Fernando Diniz não inventar demais. Simples assim.