SPFC empata com Novorizontino com o pior árbitro da história

FICHA TÉCNICA

SÃO PAULO 1X1 NOVORIZONTINO
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)
Data: 03 de fevereiro de 2020, segunda-feira
Horário: 20 horas (de Brasília)
Árbitro: Flávio Roberto Mineiro Ribeiro
Assistentes: Vitor Carmona Metestaine e Enderson Emanoel Turbiani da Silva
Cartões amarelos: Fernando Diniz (São Paulo); Tchê Tchê (São Paulo); Danielzinho (Novorizontino); Brenner (São Paulo)
Gols: Novorizontino: Higor Leite (aos 25 minutos do 2º tempo); São Paulo: Brenner (aos 40 minutos do 2º tempo)

SÃO PAULO: Tiago Volpi; Juanfran (Everton), Arboleda, Bruno Alves, Reinaldo; Tchê Tchê, Daniel Alves, Hernanes (Toró); Vitor Bueno, Alexandre Pato (Brenner) e Pablo; Técnico: Fernando Diniz

NOVORIZONTINO: Oliveira; Felipe Rodrigues, Adriano Mina, Edson Silva e Willian Formiga; Adilson Goiano, Léo Baiano, Danielzinho (Higor Leite), Cléo Silva; Capixaba (Felipe Marques), Jenison (Guilherme Queiroz); Técnico: Roberto Fonseca

 

BOLA CHEIA

  • EMPENHO: Uma das coisas que a gente mais cobra do time é empenho dentro de campo. E disso não se pode reclamar do elenco nesta partida: todos atuaram com empenho nos 90 minutos – pena que a deficiência técnica de alguns acabe afetando o resultado final. Se não fosse a atuação inacreditavelmente patética, ridícula e desastrosa do árbitro (um dos piores que já vimos nos últimos 10 anos!), o SPFC teria facilmente goleado o Novorizontino. Mas pelo menos o time jogou com empenho.
  • PATO: A gente reclama muito dele, critica até em demasia, mas é preciso reconhecer quando o cara realmente se esforça e se empenha para virar a sua maré. Pato atuou como antigamente, do jeito que sempre queremos que ele atue, e chegou a fazer dois gols anulados incorretamente por um dos piores e mais incompetentes juízes que já vimos atuar no futebol profissional. Diniz o tirou de campo e era visível a frustração de Pato por completar 6 meses sem fazer gol. Ainda assim, se mantiver esse mínimo de empenho, Pato ainda pode render bons frutos ao clube.
  • BRENNER: Essa é uma joia que simplesmente não vingou. Essa é a realidade. No entanto, ninguém desaprende a jogar futebol. Brenner está ganhando uma nova oportunidade aos poucos, entrou nesta partida, fez o gol de empate e vibrou como se fosse uma final de Copa do Mundo. É esse tipo de raça que queremos ver no time. Quem sabe Brenner não acaba sendo uma opção a Pablo, que até hoje não justificou a fortuna gasta em sua contratação?

 

BOLA MURCHA

  • FLÁVIO ROBERTO RIBEIRO: Se fosse em jogo de várzea, esse incompetente só sairia de campo em um tanque do exército. O juizinho de pelada de condomínio anulou dois gols legítimos de Pato (confirmados pela Central do Apito da Globo), não marcou dois pênaltis escandalosos a favor do SPFC (e mais um terceiro que não foi tão escandaloso assim), inverteu faltas, abusou da arrogância e influiu diretamente no resultado. O pior desse tipo de juizinho de merda é que não dá para chamar de ladrão não, é pura incompetência mesmo. Desista do futebol, seu incompetente, um pé-de-rato como você não pode jamais apitar uma partida de futebol profissional!
  • PABLO: Ao final do jogo, Pablo perdeu duas chances absurdas de sacramentar a virada tricolor, mas simplesmente não teve competência para isso. Não foi um “erro” puro e simples, foi falta de competência, falta de reflexo e falta de talento para acertar um chute de 3 metros e colocar a bola nas redes. Será que alguém lembra de alguma atuação boa de Pablo desde que ele foi contratado? O cara foi a contratação mais cara da história do SPFC (em termos de valores tirados diretamente dos cofres do clube), passa metade do ano em maca do departamento médico e a outra metade perdendo gols absurdos. A gente ainda tem esperança em Hernanes, a gente ainda tem esperança em Pato, mas eses Pablo não dá mais. Péssimo!