SPFC empata sem gols com a galinhada no primeiro jogo da final

[perfectpullquote align=”full” bordertop=”false” cite=”” link=”” color=”” class=”” size=””]FICHA TÉCNICA[/perfectpullquote]

SÃO PAULO 0 X 0 CORINTHIANS
Local: estádio do Morumbi, em São Paulo
Data: 14 de abril de 2019, domingo
Horário: 16h (de Brasília)
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira
Assistentes: Marcelo Van Gasse e Emerson Augusto de Carvalho
Público: 58.713 presentes
Renda: R$ 6.350.830,00
Cartões amarelos: Igor Gomes (São Paulo); Ramiro (Corinthians)

SÃO PAULO: Tiago Volpi; Hudson, Arboleda, Bruno Alves e Reinaldo; Luan, Everton (Nenê) e Igor Gomes (Helinho); Antony, Everton Felipe e Gonzalo Carneiro (Hernanes); Técnico: Cuca

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Manoel, Henrique e Carlos; Ralf, Júnior Urso (Richard) e Jadson (Mateus Vital); Ramiro (Vagner Love), Clayson e Gustagol; Técnico: Fábio Carille

 

[perfectpullquote align=”full” bordertop=”false” cite=”” link=”” color=”” class=”” size=””]BOLA CHEIA[/perfectpullquote]

  • HERNANES: Ainda sem estar 100% fisicamente mesmo com quatro meses de clube, Hernanes entrou no intervalo e conseguiu ser mais efetivo para o futebol em 45 minutos do que Everton Felipe e Gonzalo Carneiro desde que eles nasceram. Alguns minutos após entrar em campo, Hernanes já havia feito passes certeiros e finalizado três vezes ao gol ― sendo uma delas muito perigosa. Com Tiago Volpi e Arboleda tentando fazer ligações diretas desastrosas para o ataque, Hernanes faz uma falta tremenda para arrumar as jogadas pelo meio –  ainda que Luan tenha tido uma atuação excelente. Resta torcer para que ele possa jogar os 90 minutos da segunda partida.
  • ARBOLEDA: Ele cabeceia para gol e faz passes longos para ligar o ataque com a categoria de um elefante manco de 200 anos de idade, porém, a função principal do equatoriano não essa. Ele está em campo é para parar o ataque adversário e nesse fundamento o cara é um monstro: ganhou todas as bolas ― no alto e nas divididas ― e teve uma atuação irretocável na defesa. Se alguém convencer o cara que ele não deve tentar cabeceios na área adversária e nem tentar fazer ligação direta para o ataque, ele vira ArboLENDA de vez!

  • TORCIDA SÃO-PAULINA: Recorde de público, quase recorde de renda de todos os tempos. Que torcida é essa, amigo, que depois de tanta vergonha nesta temporada ainda lota estádio desse jeito? Que torcida é essa que luta bravamente para comprar ingresso em um sistema online que parece movido a querosene? Puta orgulho de ser são-paulino, de ter amor eterno a esse Manto Sagrado! Que belíssima festa!

 

[perfectpullquote align=”full” bordertop=”false” cite=”” link=”” color=”” class=”” size=””]BOLA MURCHA[/perfectpullquote]

  • EVERTON FELIPE: Após um primeiro tempo patético, era de se esperar que Cuca tirasse o cara no intervalo para entrar com Hernanes. Isso não aconteceu e Everton Felipe continuou em campo os 90 minutos para bater o recorde mundial de bolas perdidas, passes errados e chutes sem direção. Sinceramente, nunca vamos entender por que esse troço foi contratado e ― pior ainda! ― por que o SPFC comprou os direitos dele pagando milhões no início desta temporada. Isso é jogador para brilhar em time mediano de Série C. No máximo.
  • CUCA: Não vamos ficar cornetando o cara que assumiu o time há pouco mais de 10 dias e vamos torcer muitíssimo para que ele dê certo no Tricolor. Porém, nesta partida, Cuca errou feio nas substituições. Primeiro de tudo, o cara não tira o péssimo Everton Felipe de campo nem se esse troço fizer 5 gols contra. A gente sabe que todo técnico tem jogadores nas quais ele aposta, mas Cuca tem tantas outras opções no time para apostar, tem que jogar suas fichas logo nessa tranqueira? A primeira lambança de Cuca foi tirar o Carneiro para colocar Hernanes, deslocando Everton Felipe pro ataque. É lógico que o Profeta fez sua parte, mas nunca tinha ninguém na área quando a bola era cruzada e Everton Felipe continuou seu show de bolas perdidas. Depois, Cuca tirou Igor Gomes para colocar Helinho, aí ele quebrou de vez as pernas do ataque. Repetimos: ninguém é louco de cornetar Cuca tão cedo, apostamos muito que o trabalho dele dará certo e queremos que isso aconteça ainda nesta temporada; mas que ele errou feio nessa final, ah, isso ele errou sim.
  • VAR: É lógico que o árbitro de vídeo é uma ferramenta importante em uma final de campeonato, especialmente contra o clube que é historicamente extremamente favorecido por erros de arbitragem, como é a galinhada. E, pra piorar, o juiz do jogo foi o Luiz Flávio de Oliveira, que tem um longo currículo de “decisões” que ajudaram o time de Itaquera. Mas esse VAR do Campeonato Paulista é muito sem-vergonha, lento, demora demais para dar um parecer e acaba deixando todo mundo irritado e ainda mais desconfiado da lisura das decisões. Algumas decisões chegam a levar 4 minutos para serem finalizadas, o que estraga o espetáculo, esfria os jogadores e irrita a torcida. Ao final da partida, por exemplo, o juiz deu 4 minutos de acréscimo, porém, por causa do VAR, ficou 3 minutos parado. E depois deu apenas mais 1 minuto de acréscimo. O VAR do Campeonato Paulista é tão medíocre que a gente chega a pensar que alguma coisa pode estar sendo feito propositalmente para tirar a credibilidade do VAR e, quem sabe, voltar atrás na decisão de ter árbitro de vídeo. E se isso acontecer, vai ter até volta olímpica em Itaquera, viu… Agora tire suas conclusões: