SPFC empata sem gols com galinhada: Bola Cheia e Bola Murcha

FICHA TÉCNICA

SÃO PAULO 0 X 0 CORINTHIANS
Data: 15 de fevereiro de 2020, sábado
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo
Horário: 19h00 (de Brasília)
Árbitro: Douglas Marques das Flores
Assistentes: Danilo Manis e Neuza Back
Cartões amarelos: Cássio (COR); Vitor Bueno, Reinaldo (SP)
Público e Renda: 44.208 / R$ 2.006.260,83

SÃO PAULO: Tiago Volpi; Juanfran, Arboleda, Bruno Alves e Reinaldo; Tchê Tchê, Daniel Alves e Hernanes (Igor Gomes); Pato (Liziero), Pablo (Toró) e Vitor Bueno; Técnico: Fernando Diniz

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Pedro Henrique (Bruno Mández), Gil e Lucas Piton; Camacho, Cantillo, Luan e Yony González (Everaldo); Vagner Love (Pedrinho) e Boselli; Técnico: Tiago Nunes

 

BOLA CHEIA

  • TIAGO VOLPI: Duas defesas inacreditáveis simplesmente salvaram o SPFC de uma derrota vergonhosa. Volta e meia ele faz umas lambanças na saída de bola, mas definitivamente Volpi foi a melhor “contratação” para esta temporada. Volpi monstro!
  • ALEXANDRE PATO: Apesar de um gol inacreditável perdido, Pato buscou o jogo, se empenhou, tentava fugir da marcação e realmente buscava toda hora a direção do gol. São 6 meses sem marcar, mas ninguém pode simplesmente ignorar o empenho de Pato em campo. O empenhado Pato 2020 nem se compara ao sonolento Pato 2019. A torcida soube reconhecer isso e o aplaudiu quando Diniz fez mais uma de suas substituições estúpidas e sem sentido.

 

BOLA MURCHA

  • FERNANDO DINIZ: O Professor Psicólogo esbanja arrogância, mas não escapa de uma estatística simples: ele só dá certo em time pequeno. Quando pegou times médios (Atlético-PR e Fluminense), fez campanhas horrendas e os times só não foram rebaixados porque Diniz foi demitido antes. E por que os jogadores gostam tanto dele? Seriam pelas férias premiadas que ele dá mesmo após uma temporada medíocre? Ou por que é amigão dos jogadores? Ou por que banca atletas que só sobrevivem do nome? O fato é que Diniz diz que o SPFC converte 20% das finalizações em gols e isso não é verdade: foram mais de 120 finalizações no Paulistão e apenas 6 gols marcados, o que dá cerca de 5% a 7% de aproveitamento, que é mais ou menos a estatística que seus ataques tinham quando ele afundou seus times anteriores. Para piorar, Diniz insiste com esse esquema de toquinhos pro lado que nunca dão em nada, e perto do final do jogo tira os atacantes para tentar garantir o 0x0. De quebra, insiste em fazer Juanfran subir pro ataque, sendo que o defensor não tem o menor cacoete para isso e o mundo inteiro sabe ― menos o treinador. A torcida perdeu a paciência de vez quando ele tirou Pato de campo e os gritos no estádio foram uníssonos: “Burro! Burro! Burro!” O fato é que em 2019 não trouxeram o bom técnico Tiago Nunes (para substituir Cuca) porque era muito caro: preferiram Fernando Diniz que é mais barato. Técnico barato, resultados baratos. Com Diniz como técnico, já vai ser um grande lucro se o SPFC não passar um vexame histórico de rebaixamento nesta temporada.
  • ARBITRAGEM: Terceiro jogo seguido que o SPFC é escandalosamente garfado pela arbitragem. Que o Campeonato Paulista não tem importância nenhuma, todo mundo sabe, mas pelo menos poderiam tentar fingir que valorizam o torneio colocando VAR em todos os jogos. Nós avisamos aqui no site que a escolha desse árbitro ia dar problema, pois ele tem um histórico recente de atuações desastrosas. Não deu outra: Douglas Marques das Flores não marcou dois pênaltis claros a favor do SPFC, sendo um no fim do jogo que foi tão absurdo que até a corintianíssima Rede Globo admitiu que o SPFC foi muito prejudicado. Parabéns, Federação Paulista, a arbitragem desta temporada está tornando o Campeonato Paulista mais desimportante do que ele já é.