SPFC esbanja raça e vence Botafogo nos acréscimos do 2º tempo

FICHA TÉCNICA

BOTAFOGO 1 X 2 SÃO PAULO
Local: Estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 21 de setembro de 2019 (Sábado)
Horário: 11h(de Brasília)
Árbitro: Jean Pierre Goncalves Lima (RS)
Assistentes: Jorge Eduardo Bernardi (RS) e Leirson Peng Martins (RS)
Renda: R$ 414.516,00
Público: 15.821 pagantes
Cartões amarelos: Cícero, Fernando e Luiz Fernando (Botafogo); Hernanes (São Paulo)
GOLS: BOTAFOGO: João Paulo, aos 45min do primeiro tempo; SÃO PAULO: Hernanes, aos 36min do primeiro tempo; Pablo, aos 46min do primeiro tempo

BOTAFOGO: Gatito Fernández, Fernando, Marcelo Benevenuto, Gabriel e Gilson; Gustavo Bochecha (Leo Valencia), Cícero, João Paulo, Marcinho e Luiz Fernando (Alan Santos); Victor Rangel (Rodrigo Pimpão); Técnico: Eduardo Barroca

SÃO PAULO: Tiago Volpi, Juanfran, Arboleda, Bruno Alves e Reinaldo; Luan (Igor Gomes), Tchê Tchê, Hernanes (Everton) e Daniel Alves; Pablo e Toró (Antony); Técnico: Cuca

 

BOLA CHEIA

  • EMPENHO: Se tem uma coisa que torcedor não admite é quando o time joga sem vontade, apático, como se não se importasse com o resultado. E disso ninguém pode reclamar nesta partida. Se falta capacidade técnica para alguns e equilíbrio emocional para outros, pelo menos empenho e raça sobraram em campo nos 11 jogadores do SPFC. O gol da vitória saiu nos acréscimos do segundo tempo, quando o time lutava por todas as bolas até o último segundo de jogo. Aliás, o gol saiu “chorado”, “mascado”, do tipo que é resultado direto do empenho e da briga por todas as bolas. Quando o juiz apitou o fim do jogo, os jogadores comemoraram muito, vibraram com a vitória. Quando se vê Dani Alves, Juanfran, Arboleda e Hernanes brigando por todas as bolas como se fosse uma final de Copa do Mundo, não tem como o resto do time se acomodar. Esse é o espírito que a torcida quer ver em campo: um time brigador. Vitória ou derrota é consequência de jogo, mas se o time joga com empenho, você pode ter certeza que a torcida jamais pegará no pé após uma derrota. Parabéns a todos pela vitória e, principalmente, pelo empenho dentro de campo.
  • REINALDO: Outra vez ele parecia ser o motor do time: o cara que briga por todas as bolas, pede raça o tempo todo, não alivia pra ninguém. Reinaldo foi também quem mais finalizou, inclusive com chutes muito bons de fora da área. Com esse empenho todo e boa visão de jogo, se Reinaldo acertar mais as finalizações vai certamente ser um dos grandes nomes da temporada.
  • ARBOLEDA: Continua dando passes horrendos ― talvez seja o pior passador da equipe ―, porém, como defensor, para destruir os ataques adversários, o equatoriano é um monstro. Arboleda não deixava os atacantes respirarem, ia em todas as bolas com muita intensidade e recuperou uma quantidade incrível de bolas. É lógico que logo em seguida ele tentava um passe mais longo e é aquela tragédia de sempre, com passes sem rumo, mas a função principal dele, que é defender, ah, isso ele faz muitíssimo bem.

 

BOLA MURCHA

  • ANTONY: Cuca barrou Antony como titular, mas o colocou em campo no início do segundo tempo no lugar de Toró, que fazia uma péssima partida. A expectativa era de que Antony desse mais velocidade, mas aparentemente o garoto está com a cabeça muito longe dos gramados. A verdade é que Antony foi uma peça destoante da equipe, parecia alheio ao jogo, concentrado apenas em dar “pedaladas” e não concluir nenhuma jogada de maneira minimamente decente. Mas o pior mesmo foram as finalizações: os chutes a gol de Antony foram fracos, desleixados, patéticos mesmo ― e isso em situações que se ele tocasse pro lado encontraria um jogador melhor colocado para finalizar.