SPFC perde pra gambás com atuação patética


SÃO PAULO 0 X 2 CORINTHIANS
Local: Morumbi, em São Paulo (SP)
Data/Hora: 16/04, às 19h
Árbitro: Luiz Flavio de Oliveira
Assistentes: Danilo Ricardo Simon Manis e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa
Cartões amarelos: Luiz Araújo e Jucilei (SPO); Romero, Pablo e Maycon (COR)
Público/Renda: 45.366 presentes/ R$ 1.448.769
Gols: Jô, aos 20’/1T (0-1) e Rodriguinho, aos 47’/1T (0-2)
SÃO PAULO: Renan; Araruna (Thomaz, aos 32’/2T), Maicon, Rodrigo Caio e Junior Tavares; Jucilei, Thiago Mendes e Cueva; Wellington Nem (Cícero, aos 18’/1T), Pratto e Luiz Araújo (Gilberto, intervalo). Técnico: Rogério Ceni.
CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Balbuena, Pablo e Arana; Gabriel, Maycon e Rodriguinho (Camacho, aos 32’/2T); Jadson (Clayton, aos 4’/2T), Romero (Léo Jabá, aos 44’/2T) e Jô. Técnico: Fábio Carille.

 


PRATTO: Você sabe dizer em que posição Lucas Pratto jogou nesta partida? Nós sabemos: Pratto jogou como ponta direita, ponta esquerda, volante, meio-campo, centroavante e zagueiro. O argentino é incansável, buscava jogo em todo canto, tinha hora que a gente imaginava que ele ia buscar a bola na lateral pra cruzar pra ele mesmo. Se o resto do time jogasse com metade da raça e o empenho de Pratto, teríamos ganho a partida. Simples assim. E sim, ele pode jogar junto com Gilberto, pois fazem uma boa dupla de ataque. Ceni só não coloca os dois juntos se não quiser. Ou se começar a querer dar uma de teimoso…
THOMAZ: Rogério Ceni fez uma escolha absurdamente infeliz ao optar pelo péssimo Wellington Nem e deixar Thomaz no banco. Quando Thomaz entrou, mudou a dinâmica do jogo, pois o cara é objetivo, toca bem a bola, sabe se posicionar. Wellington Nem, por sua vez, é só um pateta que corre sem rumo e não acerta nenhum passe. Nunca.
RENAN RIBEIRO: Uma defesa milagrosa, não teve culpa dos gols. Titular absoluto.

 


ERROS DE FUNDAMENTO: De cada 10 passes, 9 eram errados; De cada 10 cruzamentos na área, 11 eram errados; Jogadas ensaiadas e chuveirinhos foram executados com a precisão de uma criança de 5 anos de idade tentando chutar uma bola. Estamos falando de profissionais que trabalham numa das melhores estruturas do mundo, ganham R$ 100 mil, R$ 200 mil ou mais para só fazer isso na vida e treinar isso todo dia. Como uma equipe profissional dentro desse contexto entra em campo e não acerta um passe, um cruzamento certo e sua única proposta de jogo é exclusivamente o chuveirinho? Sério, amigos, a quantidade de passes errados de Jucilei, Cícero, Wellington Nem, Luiz Araújo, Júnior Tavares e Thiago Mendes é coisa para se sentar e reconversar até o salário. O cara ganha salário de ministro do governo e não acerta passes de 3 metros? Qualquer barrigudo cachaceiro que se acha “em forma” porque joga futsal uma vez por semana tem uma eficiência maior em passes do que esses caras nesta partida. É uma vergonha o desleixo e os passes errados nessa quantidade. Simplesmente constrangedor! É um vexame inadmissível e esses atletas deveriam ter vergonha na cara e pedir desculpas pra torcida!

CENI: O que adianta treinar com bolinha de futebol americano se esses caras não conseguem acertar passes de três metros, não sabem cruzar, não acertam jogadas ensaiadas? O inglês que auxilia Ceni lançou trocentos livros sobre treinamento e tem uma equipe que não sabe passar a bola direito? Pra que insistir tanto com Wellington Nem e Cícero e deixar Gilberto e Thomaz mofando no banco? Por que não proíbe Maicon de fazer ligação direta ou cruzamentos longos se ele não sabe fazer isso e nunca acerta nenhuma bola? Que jogadas ensaiadas são essas que começam num escanteio no campo adversário e vão sendo recuadas até chegar no Renan Ribeiro? Que proposta de jogo medíocre é essa que se limita a chuveirinho na área adversária? Aliás, alguém lembra de qualquer jogada de ataque desta partida (qualquer uma!) que não tenha sido concluída com chuveirinho? Vale a pena bater no peito dizendo “Não mudo meu esquema de jogo” se o time não está respondendo a isso em campo e se os adversários já aprenderam a anular as jogadas manjadas do time? Ceni é M1to, Ceni é ídolo, tem crédito com a torcida são-paulina para 100 encarnações. Mas é óbvio que alguma coisa não está funcionando e precisa mudar. Já perdemos um Paulista e uma Copa do Brasil em 2017 (ou alguém ainda acredita em milagre com um time que não ganha em casa os jogos decisivos?), vamos esperar mais quantos vexames para admitir que algo está errado? Ou vai querer colocar a culpa no juiz para não admitir seus próprios erros…?

LUIZ ARAÚJO e JÚNIOR TAVARES: Há um cheiro de “máscara” no ar. Depois de tantos (e justíssimos!) elogios à dupla, eles parecem ter esquecido o futebol. Os dois pegam a bola e se limitam a tentar firulas que não dão certo e a errar passes e cruzamentos como se nunca tivessem feito isso na vida. E dá-lhe toquinho de calcanhar que manda a bola pros pés do adversário… Amigo, se você se apoia em dois ou três boas atuações e fica com futebolzinho mascarado se achando craque, vai acabar indo parar em timinho sem expressão, como aconteceu com Henrique, Bruno Uvni, Cañete e tantos outros. Mirem-se no exemplo de Pratto: o cara perdeu nesta partida dois gols com cabeceios horrendos, mas ganha elogios unânimes porque passou 90 minutos brigando pela bola e tentando fazer o que os outros não faziam. Nem Cueva. Nem ninguém.