SPFC perde pro Atlético-PR com atuação apagada e esquema covarde

FICHA TÉCNICA

SÃO PAULO 0 x 1 ATHLETICO-PR
Local: estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)
Data: 10 de novembro de 2019, domingo
Horário: 16h (de Brasília
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (Fifa-RJ)
Assistentes: Luiz Cláudio Regazone (RJ) e Andrea Izaura Maffra Marcelino de Sá (RJ)
VAR: Rodrigo Carvalhães de Miranda (RJ)
Público: 13.795 pagantes
Renda: R$ 397.902,00
Cartões amarelos: Reinaldo e Antony (SAO); Wellington e Camacho (APR)
Gol: ATHLETICO-PR: Marcelo Cirino, aos 44 minutos do 2º Tempo

SÃO PAULO: Tiago Volpi; Daniel Alves, Bruno Alves, Arboleda e Reinaldo; Jucilei (Gabriel Sara); Antony, Igor Gomes (Hernanes), Tchê Tchê e Vitor Bueno; Pablo (Raniel); Técnico: Fernando Diniz

ATHLETICO-PR: Santos; Madson, Pedro Henrique, Thiago Heleno e Márcio Azevedo; Wellington, Camacho (Erick) e Bruno Nazário (Lucho Gonzalez); Nikão, Rony (Vitinho) e Marcelo Cirino; Técnico: Eduardo Barros

 

BOLA CHEIA

  • IGOR GOMES: É incrível constatar isso, mas nesse mar de estrelas de salários milionários como Pato, Hernanes, Pablo e Dani Alves, o jovem Igor Gomes é o único que merece vaga de titular absoluto. Os outros podem esquentar a reserva que não fazem a menor diferença. Igor Gomes joga pra frente, busca espaços, entra na diagonal, faz o time avançar na vertical, contrariando o esquema retranqueiro, covarde e medroso de Fernando Diniz. 

 

BOLA MURCHA

  • FERNANDO DINIZ: Aos 11 minutos do primeiro tempo, uma jogada resumiu bem o que é essa filosofia de trabalho de Fernando Diniz. O time saiu para o ataque em câmera lenta (como sempre!), Jucilei pegou a bola bem no meio do campo, olhou para frente e estavam todos marcados. Igor Gomes avançou e correu na diagonal para receber a bola. Nessa hora, porém, Fernando Diniz gritou desesperadamente lá do banco para Jucilei recuar pro goleiro. Então, em vez de iniciar um ataque com Igor Gomes entrando na diagonal para fugir da marcação, Jucilei recuou para o goleiro lá do meio-campo. Se alguém perguntar por que diabos um sistema tão “inovador” como de Fernando Diniz jogou Atlético-PR e Fluminense na lama, mande a pessoa rever este lance aos 11 minutos desta partida e encontrará a resposta. Os times de Diniz ficam tocando a bola de lado, como se fosse Futsal de Cego, levam 5 minutos para chegar ao ataque, chutam pouquíssimo a gol e não têm a menor vergonha de preferir recuar uma bola do meio-campo para o goleiro do que tentar um ataque.
  • TIAGO VOLPI: É um goleiraço. A gente torce para que fique em 2020. Mas tomar um frango desses aos 45 minutos do segundo tempo… Aí, não dá, né…