SPFC perde pro Fluminense e fica mais longe da Libertadores

FICHA TÉCNICA

SÃO PAULO 0X2 FLUMINENSE
Local: estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)
Data: 7 de novembro de 2019, quinta-feira
Horário: 19h30 (de Brasília)
Público: 17.650 pagantes
Renda: R$ 504.461,00
Árbitro: Daniel Nobre Bins (RS)
Assistentes: Jorge Eduardo Bernardi (RS) e André da Silva Bitencourt (RS)
VAR: Jean Pierre Gonçalves Lima (RS)
Cartões amarelos: Daniel Alves (SÃO). Nenê (FLU)
GOLS: FLUMINENSE: Digão, aos 36 minutos do 1ºT, e Marcos Paulo, aos 39 minutos do 1ºT

SÃO PAULO: Tiago Volpi; Daniel Alves, Bruno Alves, Arboleda e Reinaldo; Jucilei (Hernanes), Tchê Tchê e Liziero (Alexandre Pato); Antony, Vitor Bueno (Juanfran) e Pablo; Técnico: Fernando Diniz

FLUMINENSE: Muriel; Gilberto, Digão, Nino e Caio Henrique; Yuri, Allan, Daniel e Ganso (Nenê); Marcos Paulo (Evanilson) e Yony González (Pablo Dyego); Técnico: Marcão

 

BOLA CHEIA

  • VITOR BUENO: É até difícil achar alguém para dar Bola Cheia depois de um vexame desses, contra um time que vive flertando com a Zona de Rebaixamento, mas Vitor Bueno tem surpreendido pelas boas atuações e por ter se tornado uma boa opção em seu setor do campo. Nem foi uma grande atuação do cara, mas a gente quer ter esperança. A gente quer muito! É o que resta.

 

BOLA MURCHA

  • FERNANDO DINIZ: Esse mesmo esquema de m… de toquinho pro lado e pra trás (o famoso Futsal de Cego) que Fernando Diniz implantou no Atlético-PR e no Fluminense ― e jogou ambos na lama ― agora começa a mostrar seu resultado “prático” no SPFC: nenhum. O fato é que com um time milionário e cheio de estrelas (Dani Alves, Pato, Pablo, Hernanes, Juanfran), Fernando Diniz levou um nó tático do tal de Marcão, treinador de juniores que assumiu o Fluminense na fogueira. Se Diniz toma nó tático de um treinador de juniores de um time na zona de rebaixamento, vai ganhar de quem?!? Além do esquema de Futsal de Cego da qual Diniz não abre mão, ele ainda escalou mal, substituiu mal, estabeleceu uma estratégia ridícula e o resultado todo mundo viu. As substituições feitas no intervalo só pioraram o time e mostram mais uma vez que ele parece “precisar” dar espaço para as estrelas, inclusive sempre priorizando a “panelinha” que pediu sua contratação. Dani Alves não tem feito nenhuma atuação que justifique sua manutenção como titular absoluto, mas a gente até entende que sua presença em campo dá moral ao time. O problema é que Diniz montou um esquema estúpido em que literalmente isolou Reinaldo e Antony nas pontas, sem ninguém para passar, tornando os ataques com efetividade zero. Se Diniz colocasse Igor Vinícius, por exemplo, Antony poderia avançar de modo mais efetivo tendo alguém para acompanhá-lo no ataque. Porém, para fazer isso ele teria que tirar Dani Alves. E Fernando Diniz tem coragem de tirar Dani Alves, o cara que literalmente pediu sua contratação? Pra piorar, Diniz insiste em colocar todo jogo Hernanes (ex-jogador de futebol ainda em atividade) e o desinteressado Pato, que não parece mais ter a menor vontade de jogar futebol. Os erros de planejamento no clube de um ano para cá são tantos que nem dá para enumerar, mas insistir com Fernando Diniz para 2020 pode ser a mesma “estrada” trilhada quando Raí insistiu com Jardine para o início de 2019. O fim da história todo mundo viu qual foi.
  • PATO, HERNANES, TCHÊ TCHÊ, ANTONY: Será que alguém cobra empenho desses caras no dia a dia? A impressão que dá é que eles entram em campo já pensando nas férias. É uma preguiça que dá até vergonha!
 
 
 
 
 
View this post on Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

XÔ, Z4! O Fluminense bateu o São Paulo no Morumbi com gols de Digão e Marcos Paulo! Confere aí, torcedor!

A post shared by Esporte Interativo (@esporteinterativo) on