SPFC se perde após expulsão de Raniel e é derrotado no RJ

FICHA TÉCNICA

VASCO 2 X 0 SÃO PAULO
Local: estádio São Januário, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 25 de agosto de 2019, domingo
Horário: 16h (de Brasília)
Árbitro: Anderson Daronco (Fifa-RS)
Assistentes: Rafael da Silva Alves (RS) e Elio Nepomuceno de Andrade Júnior (RS)
VAR: Jean Pierre Gonçalves Lima (RS)
Público: 19.191 pessoas
Renda: R$ 637.879,00
Gols: Talles, aos 11, e Fellipe Bastos, aos 35 do 2ºT (Vasco)
Cartões amarelos: Anderson Martins, Léo (São Paulo); Henrique, Talles, Marrony, Richard (Vasco)
Cartão vermelho: Raniel (São Paulo)

VASCO: Fernando Miguel, Yago Pikachu, Osvaldo Henriquez, Leandro Castán e Henrique (Danilo Barcelos); Richard, Raul, Andrey (Rossi) e Marcos Júnior (Fellipe Bastos); Talles Magno e Marrony; Técnico: Vanderlei Luxemburgo

SÃO PAULO: Tiago Volpi; Juanfran, Anderson Martins, Arboleda e Léo (Everton Felipe); Tchê Tchê, Liziero (Igor Vinícius) e Daniel Alves; Antony (Vitor Bueno), Raniel e Pato; Técnico: Cuca

 

BOLA CHEIA

  • JUANFRAN: As virtudes dos grandes jogadores a gente percebe em detalhes de jogo, mesmo diante de uma derrota. Juanfran começou jogando como lateral, depois se adiantou para ajudar no ataque quase como um ponta e, ao final, mudou de lado de campo quando Cuca fez mais uma de suas invenções malucas. E a regularidade de Juanfran é impressionante: ele vai firme em todas as bolas, posiciona-se com muita inteligência e quase nunca erra passes. É lógico que acabou perdendo uma ou outra bola ― o que é normal do futebol ―, mas a consistência, a seriedade e a tranquilidade do futebol desse espanhol é impressionante.

 

BOLA MURCHA

  • RANIEL: O cara dá um verdadeiro golpe de karatê em uma bola fácil na intermediária, acerta a cabeça do adversário, é expulso na metade do primeiro tempo e compromete todo o trabalho feito para esta partida. Tá certo que pelo rigor da lei é até uma questão de interpretação do árbitro, que poderia dar apenas cartão amarelo se quisesse e não seria nenhum absurdo. No entanto, o lance é retrato do que Raniel tem a oferecer a um clube grande como o SPFC: futebol de atacante de várzea, atitudes de jogador de várzea. 
  • CUCA: É um treinador excelente, está sendo decisivo no bom momento do SPFC, não vamos cornetar o trabalho do cara como um todo. Mas diante do contexto geral, ele errou demais nesta partida. Começou errando feio ao barrar Bruno Alves e efetivar Anderson Martins e Arboleda como titulares absolutos. Os dois erram demais o posicionamento defensivo e o segundo gol do Vasco foi uma amostra clara desse fundamento falho. E tem mais: após a expulsão do varzeano Raniel, Cuca adiantou Dani Alves como uma espécie de centroavante, o que nos faz imaginar que se Volpi se machucar ele pode testar Dani Alves como goleiro. Não é porque o cara é craque que ele vai fazer milagre, né, Cuca? E ainda tem mais: Tchê Tchê continua como múmia de estimação de Cuca: se arrasta em campo, mas é titular absoluto, intocável, não importa quantas atuações apagadas ele tenha. A única substituição boa que Cuca fez foi quando colocou Igor Vinícius em campo, no lugar de Liziero, que teve uma atuação fraquíssima. Mas Cuca fez essa alteração aos 45 minutos do segundo tempo. Se é pra colocar o jogador nos acréscimos, melhor nem colocar, né? Repetindo: nós apoiamos o bom trabalho do Cuca, não vamos entrar na onda de cornetar o cara, mas nesta partida ele merece Bola Murcha com todo louvor.
  • AZARES MEDICINAIS: Hernanes levou 7 meses para entrar em forma, quando começa a engrenar, se machuca e fica mais um tempo fora; Pablo ficou 3 meses parado, voltou, jogou meio tempo, se machucou e voltou para o “estaleiro”; Rojas ficou um ano parado após cirurgia, quando estava perto de voltar, se machucou sozinho, fará nova cirurgia e não deve mais jogar pelo SPFC; Pato se machucou sozinho; Toró se machucou sozinho; Liziero volta de lesão pelo menos umas 3 vezes por ano antes de se machucar de novo; Antony se machucou nesta partida do Rio de Janeiro; Carlinhos Neves deixou a preparação física do SPFC por não concordar com os “novos métodos” do clube; Médico da Seleção do Equador reclamou publicamente que a lesão de Arboleda foi tratada de maneira errada no SPFC… Diante desses fatos todos acontecidos apenas neste ano, é preocupante como os “azares medicinais” acompanham o SPFC, né…