SPFC vence Fluminense no Maracanã com gol aos 52′ do 2º tempo

FICHA TÉCNICA

FLUMINENSE 1 X 2 SÃO PAULO
Local: estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro
Data: 27 de julho de 2019, sábado
Horário: 19h (de Brasília)
Árbitro: Anderson Daronco (Fifa-RS)
Auxiliares: Rafael da Silva Albes (RS) e Elio Nepomuceno de Andrade Júnior (RS)
VAR: Daniel Nobre Bins (RS)
Público pagante: 20.011 pessoas
Renda: R$ 644.375,00
Gols: Reinaldo, aos 19 do 1ºT e aos 51 do 2ºT(São Paulo); Yony González, aos 35 do 1ºT (Fluminense)
Cartões amarelos: Hernanes, Arboleda e Everton (São Paulo)

FLUMINENSE: Muriel; Gilberto, Nino, Yuri e Caio Henrique; Allan, Daniel (Guilherme) e PH Ganso (Léo Artur); Marcos Paulo, Yony González e Pedro; Técnico: Fernando Diniz

SÃO PAULO: Tiago Volpi; Igor Vinícius, Bruno Alves, Arboleda e Reinaldo; Luan (Igor Gomes), Tchê Tchê e Hernanes (Everton); Antony, Raniel e Pato (Toró); Técnico: Cuca

 

BOLA CHEIA

  • REINALDO: Se dependesse da performance de Reinaldo nesta partida como um todo, ele estaria mais pra Bola Murcha do que pra Bola Cheia. No entanto, na atual situação, ele fez os dois gols da vitória e isso faz uma enorme diferença. No primeiro gol, um chutaço de fora da área que resultou em um belo gol; no segundo, cobrou pênalti aos 51 do segundo tempo do jeito que se deve cobrar: um verdadeiro míssel, sem gracinhas, sem firulas, quase impossível de ser defendido. Mesmo atrapalhado e autor de finalizações horrendas a gol, Reinaldo é um cara que joga com raça e seriedade, e muitas vezes isso faz toda a diferença no placar. Como fez neste jogo.
  • VOLPI: Debaixo do gol, continua ágil e seguro, fazendo defesas muito difíceis. De quebra, Volpi tá começando a errar menos nas reposições de bola, o que dá mais confiança à defesa como um todo. Pelo conjunto da obra, merece o Bola Cheia pela boa atuação.

 

BOLA MURCHA

  • RANIEL: Às vezes a gente fica se perguntando: “Como um cara desses veio parar no SPFC?” O fato é que dentro de campo Raniel é péssimo em todos os fundamentos essenciais para um atacante: se posiciona muito mal, finaliza pessimamente e na maioria das vezes atrapalha os outros companheiros por aparentar estar completamente perdido em campo. O cara era terceiro reserva no Cruzeiro, admitiu que não se cuidava direito e por isso vivia machucado (veja aqui), chega no SPFC no meio de uma crise e as circunstâncias o colocam pelo segundo jogo como titular. Mas a performance de Raniel é nota zero em todos os sentidos, em todos os fundamentos: é um atacante tecnicamente medíocre que coleciona finalizações medonhas. Quando Pablo voltar, no máximo Raniel pode ser um terceiro reserva ― exatamente como era no Cruzeiro.
  • HERNANES e PATO: De craques, a gente espera mais, por isso, também cobra mais. Ambos foram apagados, quase desinteressados em campo. Considerando o salário e o status que ostentam no clube, simplesmente não podem atuar com essa letargia toda.