SPFC vence o Avaí no Morumbi e ultrapassa a galinhada

FICHA TÉCNICA

SÃO PAULO 1 X 0 AVAÍ
Local: estádio do Morumbi, em São Paulo (SP)
Data: 20 de outubro de 2019, domingo
Horário: 16h (de Brasília)
Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva (Fifa-PA)
Assistentes: Bruno Boschilia (Fifa-PR) e Nailton Júnior de Sousa Oliveira (CE)
VAR: Rodolpho Toski Marques (Fifa-PR)
Público total: 20.763 pessoas
Renda bruta: R$ 714.527,00
Gols: Arboleda, aos 5 do 2ºT (São Paulo)
Cartões amarelos: Bruno Alves, Daniel Alves, Luan, Antony (São Paulo); Richard Franco (Avaí)
Cartão vermelho: Brenner (Avaí)

SÃO PAULO: Tiago Volpi; Daniel Alves, Bruno Alves (Igor Gomes), Arboleda e Léo; Luan, Tchê Tchê e Liziero (Hernanes); Antony, Pato (Raniel) e Vitor Bueno; Técnico: Fernando Diniz

AVAÍ: Vladimir; Lourenço, Ricardo, Betão e Paulinho (Julinho); Luanderson, Richard Franco e Matheus Barbosa (Marquinhos Silva); Luan Pereira (Douglas), Brenner e Vinícius Araújo; Técnico: Evando Camillato

 

BOLA CHEIA

  • IGOR GOMES: É impressionante como toda a movimentação do meio-de-campo pra frente mudou por completo com a entrada de Igor Gomes no segundo tempo. Dizer que Igor Gomes é craque talvez seja um pouco de exagero, mas o cara tem bom toque de bola, excelente visão de jogo e atua com muito empenho, buscando as jogadas, movimentando-se bastante e abrindo espaços. É difícil entender porque Igor Gomes é sempre esquecido na reserva enquanto outros titulares absolutos colecionam atuações medíocres (precisa falar de Tchê Tchê, Pato, Liziero?). Já passou da hora de Igor Gomes ser titular desse time.
  • ARBOLEDA: Monstro na defesa, o equatoriano atua com empenho total, com muita seriedade, sem firulas, sem gracinhas. Craque ele não é, todo mundo sabe ― e cada passe longo dado no vazio é desesperador ―, mas Arboleda joga com raça e acaba fazendo até o gol da vitória quando o “atacante” parece que está com a cabeça no Baú da Felicidade…
  • REINALDO: Não, ele não jogou. Estava suspenso. Mas você viu onde Reinaldo estava na hora do jogo? Na arquibancada, no meio da torcida, vibrando com seu time de coração (veja AQUI). É esse tipo de vibração e de espírito que a gente quer ver na equipe. O cara não precisa ser torcedor do clube, como o próprio Reinaldo, mas não precisa ser um morto-vivo que parece não dar a menor bola para o peso da camisa que está vestindo ― como é o caso de Tchê Tchê e Pato, por exemplo. Toquinho preguiçoso pro lado que parece futsal de cego não ganha jogo. Mas raça e empenho ganha sim. E isso Reinaldo tem de sobra.

 

BOLA MURCHA

  • ALEXANDRE PATO: Se Fernando Diniz não quiser começar a ser cornetado de maneira contundente, é melhor parar de puxar saco de Pato e mandá-lo pra reserva. Atacante mimado, desleixado, desligado, apático, acomodado, preguiçoso, perdeu um gol inacreditável nesta partida. Saiu de campo debaixo de uma enorme vaia depois de mais uma atuação ridícula e absurdamente desinteressada. O cara ganha essa fortuna para se arrastar em campo dessa maneira desrespeitosa com a instituição São Paulo FC? Tire suas conclusões: